Não é hora de desespero!

por Lucas G. Freire

Nesta época de polarização política esquerda e direita, vermelhos e azuis, muita coisa interessante tem aparecido entre os jornalistas e comentaristas. Uma delas é o senso de emergência, de que o nosso país está sob ameaça e precisa reagir de alguma forma.

Os vermelhos desejam um tom ainda mais vermelho na nossa política. Os azuis desejam mudar a cor do país. Não sei o que desejam os “nem lá nem cá” que preferem o verde-e-amarelo. De qualquer forma, o discurso da emergência e da ameaça está lá.

Entre a normalidade e a emergência, existem ao menos duas mudanças de nível na discussão pública. A primeira, é a politização, quando um assunto não é da conta do governo e passa a ser. Um exemplo é a educação dos filhos, que até pouco tempo (relativamente) era uma prerrogativa dos pais, e passou (principalmente após o totalitarismo de Bismarck no século XIX) a ser regulada pelo governo.

Uma das consequências negativas da politização é a distorção do caráter intrínseco de uma esfera não-governamental, que passa a ser subserviente à esfera governamental. No exemplo da educação, ao invés de educar, nossas escolas reguladas pelo governo têm operado como adestradoras de um certo tipo de cidadão. Obviamente, é e se esperar algo do tipo.

Politização é o primeiro nível de reajusta de uma questão específica. Certas coisas precisam ser politizadas – elas precisam ser objetos de discussão de política pública operando nos moldes de um governo democrático. Talvez não a educação no sentido estrito e clássico (e o MEC vai me atirar a primeira pedra!), mas algo como o crime de agressão, ou a defesa nacional.

Porém, politizar um certo assunto significa sujeitá-lo à deliberação e à ação que cabe nas regras do jogo. Muita gente acredita que certas questões são tão urgentes e importantes que as regras do jogo precisam ser suspendidas e o assunto, remediado. Nesse caso, estamos falando de uma passagem, que muitos chamam de securitização.

Na sociedade e na política, temos vários valores e coisas que prezamos. A própria democracia pode ser um exemplo. Ou a economia nacional, o meio-ambiente, a soberania do país, a diversidade cultural, a vida e assim por diante. Securitizar algo é retratar uma certa questão como ameaça a uma coisa ou valor que julgamos ser importante.

É assim que funciona: alguém fala que X é uma ameaça a Y, e que Y é algo que vale a pena proteger. Se X acontecer, Y corre grave perigo. Portanto, temos uma emergência. Já que é urgente, não há tempo para o processo político. Precisamos, para lidar com X, de um regime de exceção.

Esse “alguém” que tenta securitizar a questão X é uma pessoa ou agência vista como relevante. É uma pessoa ou agência que importa, que tem certa autoridade. No caso do meio-ambiente, pode ser um cientista. No caso de uma invasão estrangeira, pode ser um general.

Um país com instituições e tradições saudáveis minimiza a sua política de exceção. Com esse princípio, nós devemos concordar. Nenhum poder pode ser absoluto, e se um governo tentar se transformar num poder absoluto e tirânico, ele precisa ser contido.

Idealmente, um país terá leis e princípios que façam a tirania ser algo bastante difícil, senão impensável. Isso, independente da direção política que se quer dar a essa tirania (esquerda ou direita). Independente de ser vermelha ou azul.

Um dos grandes princípios da política reformada é a afirmação de que a obediência que se deve à autoridade não é absoluta, pois nenhuma autoridade é absoluta. Porém, a resistência não é revolucionista, pois existem autoridades intermediárias que são mais efetivas e mais legítimas para resistir que o populacho descontrolado.

Na nossa situação atual, um lado tem falado que a ordem pública e a segurança estão sob ameaça, e que é preciso uma tirania azul para restaurar o país. Outro lado tem falado que as minorias e os oprimidos precisam duma tirania vermelha para reverter sua situação.

Entretanto, da última vez que conferi, nossas instituições, tradições e leis foram (ainda que de forma imperfeita) desenhadas especificamente para lidar com esses dois tipos de problema. É verdade que elas precisam de reforma – e a via da politização serve para isso também. É também verdade que elas têm sido mal aplicadas. Mal? Muito mal.

Por isso mesmo, convido você a pensar na via normal do debate público. Convido, ainda, a ajudar a restaurar a civilidade nesse debate. Quantos pontos interessantes têm sido levantados dos dois lados, mas ignorados pelos oponentes. Por quê? Porque, com o senso de emergência – com a tentativa de securitizar um assunto – vem também o descontrole e o desespero.

Não é hora de desespero. Nem de virar a mesa. Temos uma democracia ainda jovem, que precisa melhorar. Temos políticos corruptos, que precisam ser aposentados. Temos, também, leis e princípios que são mal aplicados. Algumas dessas leis são injustas ou ineficientes, e precisam ser discutidas e melhoradas. Mas isso não se faz em estado de guerra. Nem em guerra civil.

Um fato curioso sobre a securitização é que ela também é relativa. Ela só “cola” se o público acreditar no discurso securitizador. Então, a verdade é que você tem uma escolha. E, com você, o resto da população. Pode dar ouvidos e apoiar a suspensão das regras do jogo, chancelando a (anti)política do desespero? Vai ceder à tentação revolucionista que, vira e mexe, destroi nossa nação a cada fase da história?

Proponho um caminho melhor, o caminho da prudência. É um caminho que, longe de piorar as coisas, vai acabar reforçando o que existe de bom nas nossas instituições e leis. Vai desenvolver ainda mas a busca pela justiça pública que esses elementos refletem, ainda que imperfeitamente.

Este ano é ano de eleições. Lembre-se de quem está no poder. Lembre-se que, sem ajuda do eleitor, seria muito mais difícil para eles estarem ali. Lembre-se, também, que a política da exceção, do desespero, do revolucionismo, tende a piorar muito mais as coisas, ainda que alguma melhoria possa acontecer no futuro distante. Lembre-se que legitimidade também conta. Lembre-se de votar bem.

E (por que não?) lembre-se de pelejar com civilidade, mas com fervor honesto na batalha das ideias. Afinal, o que existe de ruim na nossa situação foi somente uma ideia ruim algum tempo atrás.

Anúncios

7 pensamentos sobre “Não é hora de desespero!

  1. Pois é Lucas, agradeço pelo texto, muito bem escrito! A propósito, a partir da noção de prudência (uma noção conservadora que tenho simpatia), não seria a proposta de “leis anti-terroristas”, ante a óbvia incivilidade Black Bloc, algo que poderia respingar em manifestações políticas legítimas? Não poderia este clima de “securitização” provocar uma intransigência estatal a manifestações públicas legitimamente democráticas?

  2. Olá Lucas, tudo bem?

    Tenho lido com bastante satisfação os textos que aqui publicas, e tenho encontrado ajuda nos temas que trata.

    Gostaria de alguma recomendação de obras para leitura sobre política reformada. Tenho lido Dooyerweerd – mas apenas comecei.

    Obrigado e parabéns pelo site.

  3. Parabéns pela saúde de suas palavras. Oportuníssimas diante do estado de coisas que temos visto principalmente em solo brasileiro. Um abraço.

Deixe seu comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s